Todos os projetos um só projeto

02 de abril de 2021

Arte

Esses dias uma assinante da newsletter me mandou e-mail perguntando "Você desenha cartuns, escreve newsletter, publica livros e agora tem um podcast. Como você consegue fazer todas essas coisas?"

Não estaria errado responder que pra mim tudo é a mesma coisa. Mas esse seria o resumo.

Se prestar atenção (e se você me acompanhar em todos esses projetos) vai perceber que um texto escrito aqui se parece com um desenho publicado ali. É frequente no meu trabalho adaptar um mesmo conteúdo para diferentes formatos.

Se quero lançar uma ideia no mundo, eu faço um desenho. Acontece que isso não é tudo o que quero fazer. Eu quero mais. Gosto de ter mais do que 5 minutos de conversa com meus amigos, gosto de contar e ouvir uma história com início, meio e fim. A newsletter e o podcast são os projetos onde posso desenvolver mais esse tipo de conversa.

Mas, novamente, isso não é tudo o que quero fazer. Se eu sinto que um texto demanda mais de mim e que posso contribuir mais dando-lhe uma estrutura e mais informações, então eu penso nele para um livro.

Cada canal tem a sua particularidade.


Instagram

Os cartuns são pílulas, fragmentos de ideias. Representadas com o simbolismo que o formato permite, muitas vezes com a intenção de gerar uma piada ou aquele estalo mental da sacada. É como se a gente se encontrasse no elevador e trocasse umas palavras.


Newsletter

Já quem prefere sentar e tomar um café ou um chopp e conversar sobre as coisas que estão na cabeça, a newsletter é onde isso acontece. É onde lanço ideias mais elaboradas, geralmente a partir de leituras e pesquisas, para quem gosta de ir além de um "Oi, tudo bom?"


Podcast

O podcast fica no meio do caminho pois, embora seja feito a partir desses textos que escrevo e envio por e-mail, ele é falado em um tom coloquial e embalado por uma trilha sonora. É como se eu ligasse para você para te contar uma coisa.


Livros

Livro é outra parada. Livro é para quem quer ter conversas mais profundas. Livro faz companhia, que é uma coisa que não dá pra sentir no Instagram, por exemplo. Às vezes eu quero viajar com uma pessoa, passar dias com ela, dormir com ela. O livro é isso.



* * *



Uma coisa que aprendi trabalhando dessa forma há alguns anos é que a extensão de cada conteúdo determina muito a sua audiência.


Sei que meus livros alcançam menos pessoas do que minha newsletter. E que a newsletter alcança menos pessoas do que o Instagram. Não é preciso muito esforço pra entender o por quê, mas bati muito a cabeça para aceitar isso.


Entretanto, não acompanho o alcance do que faço. Não fico ligado em quantas pessoas estão curtindo ou comentando os posts, abrindo a newsletter, ouvindo o podcast, comprando os livros. Sei como fazer esses números aumentarem. Mas a forma de fazê-los aumentar não é a mesma forma de fazê-los melhor.