Leitores e Notícias

23 de outubro de 2022
Internet

Os leitores que têm que correr atrás das notícias ou as notícias que têm que correr atrás dos leitores?

O Digital News Report 2022, pesquisa do Instituto Reuters para Estudos de Jornalismo é o mais completo levantamento sobre consumo de notícias do mundo e revelou que o interesse em notícias caiu drasticamente em todos os locais pesquisados. Oh, nossa, que novidade! Aposto que essa foi a mesma conclusão do relatório do ano passado e do ano antes desse, e de antes, e que também será o do ano que vem.

Vocês sabem o motivo. A mídia tradicional continua perdendo espaço para as redes sociais. O jornalismo feito por profissionais vem se distanciando do leitor comum. Além de preferir acessar notícias via redes sociais, o público jovem mundial diz que não lê notícias porque acha difícil compreendê-las. A maioria acha que a mídia deveria simplificar a linguagem e explicar mais claramente histórias complexas.

Essa disputa é importante pois está ligada à chamada "economia da atenção". Segundo o relatório, esses jovens consomem informações em áudio e vídeo pelo Instagram, TikTok, YouTube ou Spotify.

“As redações não estão totalmente equipadas para lidar com uma audiência de mídia social. A geração mais jovem não vai acessar sites de notícias para ler. Então, temos que ir onde eles estão. Temos que entender como eles querem ler suas notícias”, avalia o jornalista Shadma Shaikh, comentando o resultado do levantamento.

Acredite, nisso as fake news são um bom exemplo. Elas atraem atenção e são disseminadas com maior potência do que uma manchete num portal assim como fofoca de relacionamentos de celebridades ou reportagem de crimes têm mais audiência.

Eu sei que é fácil justificar isso dizendo que as pessoas são burras por isso gostam de conteúdos burros, superficiais e banais. Mas vou te dizer uma outra coisa que as fake news, fofocas e true crimes têm. Elas contam histórias e envolvem emoções.

E é possível fazer isso com assuntos mais interessantes do que o fim de relacionamento de celebridades. O desafio que os jornalistas têm é fazer com que os jovens enxerguem as notícias como ferramentas para que eles possam fazer escolhas mais interessantes. Ter informações pode nos ajudar a compreender onde estamos, quem somos e para onde vamos. O jornalismo deveria fazer isso: nos tornar em observadores mais atentos do que se passa e do que nos atravessa.

Mas para isso os redatores precisam rever a forma como as notícias são feitas.